sábado, 23 de junho de 2012

Quando surge a chuva...

...As nuvens descem de encontro à serra e sutilmente a encobre por completo, como se fossem velhos amigos que há muito não se viam. Caem as primeiras gotas e logo sobe um delicioso cheiro que vem do encontro da água com a pedra quente. Um cheiro que tem nome, que tem poesia, o "perfume de Nossa Senhora".


As mães chamam as crianças para dentro de casa, que em meio a saltos e gritos entram contrariadas e salvas do estonteante aroma que dizem provocar resfriado. As beatas rezam para que não seja apenas um "sereno" e sim um prolongado presente de São Pedro.


Quando a chuva ganha força, uma verdadeira festa se instala nas ruas. As crianças escapam de casa e correm em todas as direções, sem saber para onde ir ou sob qual "bica" se banhar. Algumas mulheres surgem com vassouras para lavar a calçada, enquanto outras se apressam com baldes e panelas para "aparar" aquela água tão rara que, segundo dizem, remove as manchas mais teimosas dos tecidos brancos.


Os homens ficam concentrados tentando esconder tamanha euforia. Olham toda aquela água e pensam no açude, na lavoura, no futuro.


Lentamente as nuvens se despedem, revelando a bela capelinha da serra e deixando apenas algumas poças nas ruas, onde as crianças inocentemente brincam com seus barcos de papel.




É assim quando chove em Parelhas.

2 comentários: