quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Sensações de um mergulho


Submergir, ser envolta por uma massa de água, voltar ao ambiente da nossa concepção. É assim quando experimento o mundo abaixo da linha do mar. Sou tomada por uma nostalgia longínqua, dos tempos uterinos, a qual remete proteção e liberdade de quem estar para começar uma nova vida.
Por todos os lados a vida nas suas mais diversas e inacreditáveis formas compartilha comigo aquele mundo de cores, líquido e salgado! A harmonia e o respeito de tais criaturas ensinam valores que nunca seria capaz de perceber enquanto imersa no ar.
Não há necessidade de movimentos bruscos, nem de intervenções físicas. Apenas energia e calor trocados com uma imensidão azul que nem o pensamento alcança onde ela finda.
A água te refresca, te balança e acalma ao som de um quase silêncio, quase canção de ninar. Assim, nesse berço de leveza a gente voa sutilmente como um sonho que se faz realidade na infinitude do oceano. 
Mergulho livre na Ilha da Trindade

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Sob(re) a maresia


Cuidado ao aproximar-se daquela névoa úmida e salgada que se desprende do mar. Ela corrói fortemente todas as suas angústias, enferruja sua preguiça e embaça sua pressa. Nas suas múltiplas faces, a maresia se desfigura em minúsculas partículas que entram pelos poros do seu corpo e fagocitam suas dores copiosamente. Mais grave ainda é quando o sujeito ousa e a encara, sentado de frente para o mar. Assim, na sua forma mais agressiva, ela invade a mente e oxida todas as dúvidas ali instaladas, destruindo os metais que formam as grades do pensamento, agindo de forma paulatina e implacável.

Você que vive aprisionado numa rotina de concreto, evite contato prolongado com a maresia, pois ela fatalmente o dissolverá em gotículas de liberdade.

Mulher acometida pela maresia

domingo, 9 de setembro de 2012

A rotina da ilha


A ilha da Trindade é gerida pela Marinha do Brasil. A cada 2 meses há uma troca de militares, os quais são responsáveis pelo funcionamento de cada detalhe antrópico desse lugar. De certa forma, os civis da ilha (Jaciana e eu) seguem tal rotina militar que prioriza obediência e hierarquia.
Os primeiros militares têm que estar de pé antes das 6hs para preparar o café da manhã dos 44 habitantes provisórios do POIT (posto oceanográfico da ilha da Trindade). Pão, queijo, leite e café são servidos das 7 às 8hs da manhã e partir de então se iniciam as atividades militares na ilha. Cada marinheiro assume a função que lhe compete para que tudo esteja sempre impecável.
Quando o mar está favorável, ainda pela manhã, uma equipe de mergulhadores da marinha e nós civis saímos de bote para desenvolver nossa pesquisa. Dependendo do vento a gente escolhe a praia, faz os mergulhos e registra os dados do nosso trabalho.

Equipe de mergulho de volta pro POIT depois de um dia de trabalho.
Detalhe, eu pilotando o bote! =)


Equipe TUBARÃO!

O almoço é servido das 11 até 13hs, por ordem dos que estão em serviço. Depois de um pequeno descanso todos voltam à rotina até às 15hs, quando se encerram as atividades. Pontualmente às 17hs o jantar é servido e quando o relógio marca 21hs mais uma refeição é disponibilizada para garantir um sono livre de roncos no estômago, a ceia.
Quarta-feira é dia de X-POITÃO, um jantar “diferenciado” que pode ser sanduíche ou pizza, acompanhado de refrigerante, artigo raro na ilha! 
Militares e civis no refeitório no dia do X-POITÃO
Já a sexta-feira é dia de churrasco, ocasião mais esperada e despojada da semana. Muita carne e cobiçadas latas de cerveja (2 por pessoa) fazem a alegria da galera do POIT.
Churrasco com direito a gaúcho no comando
Aproveitando a rara cerveja na ilha

A experiência de vivenciar o militarismo, que sempre foi tão distante das minhas pretensões, é muito rica. A todo momento aprendemos sobre mecânica, enfermagem, culinária ... e, principalmente, disciplina! E embora tudo isso pareça contraditório com a naturalidade da ilha, tal rotina é essencial para a proteção desse paraíso tão frágil.

domingo, 26 de agosto de 2012

Caminhos da Trindade


Essa ilha de origem vulcânica é repleta de montes e vales, imensas formações rochosas que são belas e ao mesmo tempo assustadoras. Grandes blocos rochosos desagregados tornam o solo instável e cada passo tem que ser pensado rapidamente para que o desequilíbrio não te jogue num abismo.

Parte leste da ilha vista do Pico do Desejado
O pico de Desejado é o ponto mais alto da ilha, cortando o céu na altura de 620 m. O caminho até lá é difícil, inclinado e imprevisível. Em alguns momentos é preciso escalar as rochas com auxílio de cabos (cordas) para facilitar a subida. Todo o esforço é compensado quando aquele imenso azul contornado por um horizonte levemente curvado surge na sua frente. O vento que corre lá em cima canta toda a beleza daquela paisagem. Não existem palavras nem imagens que possam descrever esse cenário, só sabe quem respira aqueles ares.

Outra trilha interessante é a que nos leva à Crista do Galo, uma das pontas ao norte da ilha. No caminho se encontram grandes blocos de rochas que exigem passos estreitos e altos. A trilha passa pela praia dos Cabritos, umas das poucas faixas de areia que ocorre em Trindade e no final vários sargentinhos dividem conosco um refrescante banho numa charmosa piscina natural rodeada de corais.
Trilha de acesso à Crista do Galo (última pedra
no lado direito da foto)

Piscina natural na Crista do Galo

Na direção oposta à Crista do Galo existe um enorme paredão perfurado por um túnel natural por onde a água atravessa de um lado para outro. A trilha é relativamente tranquila, comparada com as demais, mas o visual é tão bonito quanto. O contraste de cores e a violência das ondas quebrando nas rochas fazem desse cenário um dos mais belos desse paraíso insular. Um lugar para ficar eternamente vagando pelas minhas boas lembranças.
Paredão do túnel

Túnel

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Desembarcando no paraíso

Vista aérea da Ilha da Trindade

Embarcamos no Navio de Desembarque de Carros de Combate (NDCC) Almirante Sabóia, na Baía de Guanabara, e após 4 dias de viagem em um mar turbulento, desembarcamos de helicóptero na ilha da Trindade às 8hs do dia 18 de agosto. A visão aérea da ilha mistura cores e formas em combinações inimagináveis, numa harmonia perturbadora. Lindo!

Desembarque dos civis
No Posto Oceanográfico da Ilha da Trindade (POIT) se encontravam cerca de 40 militares da marinha que executam as mais variadas funções, desde carpintaria até medicina. Além deles, seis pesquisadores ocupavam a Estação Científica da Ilha da Trindade (ECIT) e nos receberam com uma bela peixada!

Navio com aeronave pousada no convoo a ré
Durante 3 dias o navio ficou nos arredores da ilha, enquanto a aeronave desembarcou todas as 86 toneladas de material que abastecerá o POIT nos próximos 2 meses. Os pesquisadores e alguns militares regressaram com o Sabóia e a partir daí iniciou-se mais uma jornada de atividades militares e civis nesse lugar tão paradisíaco. Como dizem os militares, começou mais uma cabritada. 
Cabritada Mensalão


domingo, 12 de agosto de 2012

Próximo destino: Arquipélago de Trindade e Martin Vaz


Mais um capítulo da novela “Vida de Biólogo”. Dessa vez o destino é o arquipélago de Trindade e Martin Vaz, uma expedição científica destinada a pesquisa com os encantadores polvos. A viagem demora cerca de 4 dias e ocorrerá a bordo do NDCC Almirante Sabóia.
Trindade é uma ilha oceânica, distante 620 milhas de Vitória (ES) e 765 milhas do Rio de Janeiro (RJ), em direção à África. Já o Arquipélago de Martin Vaz, situado a 26 milhas a leste, seguindo na mesma direção. Trindade é uma ilha de origem vulcânica e eleva-se a 5.500 metros do fundo oceânico. É a única ilha oceânica que tem fonte natural de água doce.
Por mais de 30 dias iremos desfrutar da vivência insular e incorporar mais uma grande experiência ao meu repertório de expedições às ilhas oceânicas! 
Vamos pro mar e que Iemanjá nos abençoe.

Foto: Google Earth e arquivo pessoal

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Amor a gosto


E isolada no meio do Atlântico, bons ventos do continente afagam a saudade.
A inspiração que vem da distância, que vem lá do meio do oceano!

Por Paulo Sarkis:

Gosto de gostar de você
porque é gostoso gostar
sentindo que gosta também

Gosto quando gosta de mim
porque no teu gosto
me sinto tão bem

Gosto de gosto gostoso
e sinto teu gosto
gosto bom você tem

Gosto do cheiro de mato
no escuro do quarto
quando você vem

Gosto do jambo maduro
desse gosto puro
que só você tem.

♫♪♫

Foto: arquivo pessoal

terça-feira, 17 de julho de 2012

Facebook x Política


Engraçado essa galera que posta cartazes dizendo que o facebook não é palanque pra discutir campanhas políticas. Claro que é!!! O facebook é palanque de campanhas pelo respeito à mulher e respeito aos animais, assim como é palco de grandes bobagens como correntes falsas, preferência religiosa, autopromoção de inseguros, festival de indiretas...Por que não discutir o futuro do país?!
Sim, o país é dirigido por uma corja de corruptos, mas espero que vcs não critiquem quem prefere discutir como mudar esse cenário ao invés de compartilhar bundas e piadas de mau gosto.

Reclamar é um ato que não requer muito esforço mental, por isso é tão comum. Mas questionar é para poucos. Inclua-se!

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Tantos amares

Amor direito ou canhoto?
Mais pra reto ou meio torto?
Moderno com mais um corpo
ou démodé e melindroso?
...
De praxe selvagem
Por ora manhoso.


Foto:  Petter Lindgren 

quinta-feira, 5 de julho de 2012

O verdadeiro Octopus's Garden


O fenômeno do nascimento é incrível. Todo mundo para, olha, se encanta, se pergunta, amolece. 
E não é diferente com os enigmáticos polvos. Ao colocar os ovos a mamãe polvo deixa de se alimentar e passa a viver exclusivamente em função dos seus milhares de pequenos. Ela limpa, oxigena, cuida e protege sua prole dos famigerados predadores. Os suspiros que precedem sua morte dão vida a um novo jardim na imensidão do oceano, o jardim de polvos.



http://bcove.me/7fb89hgj (VÍDEO MAIOR)



sábado, 23 de junho de 2012

Quando surge a chuva...

...As nuvens descem de encontro à serra e sutilmente a encobre por completo, como se fossem velhos amigos que há muito não se viam. Caem as primeiras gotas e logo sobe um delicioso cheiro que vem do encontro da água com a pedra quente. Um cheiro que tem nome, que tem poesia, o "perfume de Nossa Senhora".


As mães chamam as crianças para dentro de casa, que em meio a saltos e gritos entram contrariadas e salvas do estonteante aroma que dizem provocar resfriado. As beatas rezam para que não seja apenas um "sereno" e sim um prolongado presente de São Pedro.


Quando a chuva ganha força, uma verdadeira festa se instala nas ruas. As crianças escapam de casa e correm em todas as direções, sem saber para onde ir ou sob qual "bica" se banhar. Algumas mulheres surgem com vassouras para lavar a calçada, enquanto outras se apressam com baldes e panelas para "aparar" aquela água tão rara que, segundo dizem, remove as manchas mais teimosas dos tecidos brancos.


Os homens ficam concentrados tentando esconder tamanha euforia. Olham toda aquela água e pensam no açude, na lavoura, no futuro.


Lentamente as nuvens se despedem, revelando a bela capelinha da serra e deixando apenas algumas poças nas ruas, onde as crianças inocentemente brincam com seus barcos de papel.




É assim quando chove em Parelhas.

terça-feira, 12 de junho de 2012

Amor vira-lata

Menos amarras, mais amores!


"Me dê sua pata peluda vamos passear, sentir o cheiro da rua"



Música: Vida de cachorro
Composição: Arnaldo, Sérgio e Rita
Álbum: Mutantes e seus cometas no país de Baurets, 1972

Se eu não fosse eu morreria de inveja de mim


Chamava-se Paloma. Muito racional e cética, tinha qualidades e defeitos como todos, porém invejava qualidades que lhes faltavam. Criou a fantasia de um ser perfeito composto pelos atributos de seus adjacentes, como por exemplo, os belos seios da Mel.

Mel, sedutora e dona de belos seios. Sentia-se, algumas vezes, incomodada pelo fascínio que provocava nos arredores. Queria fugir e mergulhar em mares de doçura e sutileza. Queria ser meiga, como a Catarina.

A meiga Catarina pecava nas paixões. Doava-se, vivendo contos de fadas unilateralmente. O” felizes para sempre” terminava antes do “foi bom pra você?”. Cansada de desilusões, ela busca eternamente uma Paloma dentro si.
...
Três mulheres perfeitas aos seus modos e insatisfeitas nos seus mundos.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Volver

Depois de três anos retomo meu blog sob nova alcunha.
Nesse espaço serão compartilhados os mais diversos temas, desde ciência, passando por artes, até chegar nas gostosas bobagens do dia a dia.

De boas vindas fiz um poeminha brega, mas traduz o espírito desse espaço.

Entretanto, mar
Entre tantos mares
Dentre tantos males
Sempre amar um tanto
Sem marear, no entanto
Adentre-se nesse mar


françoise lima